MOVIE REVIEW: "Trainwreck" (2015)

in movies •  2 months ago  (edited)

This publication was also written in SPANISH and PORTUGUESE.

NY & About

Synopsis: Since a little girl, Amy has learned (taking an example from her own home) that monogamy is definitely not realistic and has been nurturing it as she grew up. Now working as a magazine writer, she lives free of romantic compromises. But everything changes when she falls in love with someone completely different... Besides who normally she wouldn't be with.

Relationship is a complicated thing and only those who have had (or still have) the experience of being in one can understand this. There are people who do everything and make every effort to have someone with whom to share their achievements, frustrations and live all kinds of feelings (especially the most romantic and full of idealizations)... On the other hand, there are people who doing everything possible and impossible not to get attached to anyone and avoid any kind of close connection with someone who might try to get closer and want something more serious. Which group would you say you are in?

Basically, the movie has a very simple focus: to follow the story of a woman over 30 who chose to live a fleeting love life. Coming in and out of hot parties, drinking, drugging and changing partners like changing clothes (each day represents a chance for a different new sexual adventure), she believes this way of life was made for independent women and the script tries to reinforce it by doing with that the protagonist has an important profession and is supported by a strong temperament profile, something that makes her very determined, owns herself and immune to the criticisms of society that, as usual, judges everyone.

The general context of this whole situation is interesting (mainly because it is in tune with the society of the modern world, where women are increasingly fighting and gaining more space), but much of the narrative construction of the story is full of clichés that have been used extensively in other similarly themed comedies, so that this one - in particular - can't get a single highlight that makes it something different (except for being a very large project considering its just over 120 minutes long).

At various times the movie shows its weakness and becomes very monotonous by recycling the same types of jokes and having a few moments where the story remains inert (where nothing relevant happens to justify its long screen time). This is very annoying, because when the rhythm of the jokes is broken, the film loses its line and here this aspect is very harmful because the script does not directly benefit from the written comedy (by the way, although there are some more acidic moments and some good ones). references... the dialogues are quite laughable), but rather, depending on physical humor.

However, as an unpretentious comedy the movie also has its good moments because it can cause some genuine laughter. Sometimes it can also effectively dialo directly with the audience through extremely straightforward language (though forced at various times by investing in situations that just don't work) and despite including a very bland romance, which sometimes gets even sour because it is so sloppily developed, the identity of the comedy remains intact and lives up to its genre. Meanwhile, the dramatic aspect is overlooked, as are the protagonist's motivations for choosing that lifestyle.

Judd Apatow is a director known for directing long movies, but in particular, this is an example that should serve as a reference for not extending frivolous arguments that in no way support a full narrative. The mark of his work is present and visible to anyone who is already used to his films, so... Seeing his talent wasted with a totally forgettable romantic comedy (or at least something like that) is pretty frustrating. There is energy to make this movie something better, but a lot would have to be fixed ... For example, starting with the characters, which are too uninteresting or the diminishing appealing scenes involving drugs and sex.

The unlikely protagonist couple formed by Amy Schumer and Bill Hader do not work at all. They are totally incompatible and have no chemistry on the screen. Moreover, her performances are quite problematic (mainly because they have very forced moments... making it clear, for example, that Schumer really is not a very good actress) and the absence of more striking elements in the characteristics of their respective characters help to increase the negative points that are scattered throughout the entire movie. In the supporting cast (which, by the way, is very weak), Brie Larson makes a good appearance, but nothing that raises the quality of what is already quite average.

Technically well produced in its most trivial aspects, Trainwreck (which was written by Schumer herself) is a failed attempt to show the public a new guise of the modern world where women are more empowered about their own needs... But in contrast, Even in the midst of so many mistakes, it still manages to put valid arguments on the table that should receive differentiated attention from those who believe "living alone" is the best way.


MOVIE URL: Trainwreck

MY RATING: A (4,5/10)

※ The following part is needed to put filled in and added to your text, as otherwise it will not be included later on phase II on Triple A.
※ 리뷰 하단에 다음 두가지 항목 포함 필수 (미포함 시 차후 자체사이트에 반영 안됨)

  • Movie URL: (Look at https://www.themoviedb.org/ for your title and put the URL here)
  • Critic: (Choose between A, AA, AAA and input the Data)
  • 영화 URL: (https://www.themoviedb.org/ 에서 리뷰하고싶은 영화 검색후 URL 이곳에 삽입)
  • 별점: (A, AA, AAA 중 선택해서 이곳에 삽입)

CRÍTICA DE PELÍCULA "Y de repente Tú" (2015)

ABC News

Sinopsis: Desde pequeña, Amy ha aprendido (tomando un ejemplo de su propia casa) que la monogamia definitivamente no es realista y la ha estado cultivando a medida que crecía. Ahora trabajando como escritora de revistas, vive libre de compromisos románticos. Pero todo cambia cuando se enamora de alguien completamente diferente... Además de con quién normalmente no estaría.

La relación es algo complicado y solo aquellos que han tenido (o aún tienen) la experiencia de estar en uno pueden entender esto. Hay personas que hacen todo y hacen todo lo posible para tener a alguien con quien compartir sus logros, frustraciones y vivir todo tipo de sentimientos (especialmente los más románticos y llenos de idealizaciones)... Por otro lado, hay personas que haciendo todo lo posible e imposible para no apegarse a nadie y evitar cualquier tipo de conexión cercana con alguien que pueda intentar acercarse y querer algo más serio. ¿En qué grupo dirías que estás?

Básicamente, la película tiene un enfoque muy simple: seguir la historia de una mujer mayor de 30 años que eligió vivir una vida amorosa fugaz. Al entrar y salir de fiestas calientes, beber, drogarse y cambiar de pareja, como cambiarse de ropa (cada día representa una oportunidad para una nueva aventura sexual diferente), cree que este estilo de vida fue hecho para mujeres independientes y el guión trata de reforzarlo con que la protagonista tiene una profesión importante y está respaldada por un fuerte perfil de temperamento, algo que la hace muy decidida, posee e inmune a las críticas de la sociedad que, como de costumbre, juzga a todos.

El contexto general de toda esta situación es interesante (principalmente porque está en sintonía con la sociedad del mundo moderno, donde las mujeres luchan cada vez más y ganan más espacio), pero gran parte de la construcción narrativa de la historia está llena de clichés que se han utilizado ampliamente en otras comedias con temas similares, por lo que esta - en particular - no puede obtener un solo punto culminante que lo haga algo diferente (excepto por ser un proyecto muy grande considerando su poco más de 120 minutos de duración).

En varios momentos, la película muestra su debilidad y se vuelve muy monótona al reciclar los mismos tipos de chistes y tener unos momentos en los que la historia permanece inerte (donde no sucede nada relevante que justifique su largo tiempo frente a la pantalla). Esto te molesta mucho porque cuando se rompe el ritmo de los chistes, la película pierde su línea y aquí este aspecto es muy dañino porque el guión no se beneficia directamente de la comedia escrita (por cierto, aunque hay algunos momentos más ácidos y algunos buenos). referencias... los diálogos son bastante risibles), sino más bien, dependiendo del humor físico.

Sin embargo, como una comedia sin pretensiones, la película también tiene sus buenos momentos porque puede causar risas genuinas. A veces, también puede comunicarse de manera efectiva directamente con la audiencia a través de un lenguaje extremadamente sencillo (aunque forzado en varias ocasiones al invertir en situaciones que simplemente no funcionan) y a pesar de incluir un romance muy soso, que a veces se pone incluso agrio porque está tan descuidadamente desarrollado, la identidad de la comedia permanece intacta y hace honor a su género. Mientras tanto, se pasa por alto el aspecto dramático, al igual que las motivaciones del protagonista para elegir ese estilo de vida.

Judd Apatow es un director conocido por dirigir películas largas, pero en particular, este es un ejemplo que debería servir como referencia para no extender argumentos frívolos que de ninguna manera respaldan una narrativa completa. La marca de su trabajo está presente y visible para cualquiera que ya esté acostumbrado a sus películas, así que... Ver su talento desperdiciado con una comedia romántica totalmente olvidable (o al menos algo así) es bastante frustrante. Hay energía para hacer que esta película sea algo mejor, pero tendrían que arreglarse muchas cosas ... Por ejemplo, comenzando con los personajes, que son demasiado poco interesantes o las escenas atractivas cada vez menores que involucran drogas y sexo.

La improbable pareja protagonista formada por Amy Schumer y Bill Hader no funciona en absoluto. Son totalmente incompatibles y no tienen química en la pantalla. Además, sus actuaciones son bastante problemáticas (principalmente porque tienen momentos muy forzados... dejando en claro, por ejemplo, que Schumer realmente no es una muy buena actriz) y la ausencia de elementos más llamativos en las características de sus respectivos personajes ayudan a aumentar el puntos negativos que se encuentran dispersos en toda la película. En el reparto de apoyo (que, por cierto, es muy débil), Brie Larson hace una buena aparición, pero nada que eleve la calidad de lo que ya es bastante promedio.

Técnicamente bien producido en sus aspectos más triviales, Y de repente Tú (que fue escrito por la propia Schumer) es un intento fallido de mostrarle al público una nueva apariencia del mundo moderno donde las mujeres tienen más poder sobre sus propias necesidades... Pero en contraste, Incluso en medio de tantos errores, se las arregla para poner argumentos válidos sobre la mesa que deberían recibir atención diferenciada de aquellos que creen que "vivir solo" es la mejor manera.


CRÍTICA DE FILME: "Descompensada" (2015)

Variety

Sinopse: Desde garotinha, Amy aprendeu (tendo exemplo dentro da sua própria casa) que a monogamia definitivamente não é algo realista e foi alimentando isso enquanto se tornava adulta. Agora, trabalhando como redatora de uma revista, ela vive livre de compromissos românticos. Mas tudo muda quando ela se apaixona por alguém completamente diferente... Além com quem normalmente ela não ficaria.

Relacionamento é uma coisa complicada e só quem já teve (ou ainda tem) a experiência de estar em um pode entender isso. Existem as pessoas que fazem de tudo e não medem esforços para ter alguém com quem compartilhar suas conquistas, frustrações e viver todos os tipos de sentimentos (em especial, aqueles mais românticos e cheios idealizações)... Por outro lado, existem as pessoas que fazendo o possível e o impossível para não se prenderem a ninguém e evitam todo e qualquer tipo de ligação mais próxima com alguém que por ventura tente se aproximar e deseje algo mais sério. Em qual dos grupos você diria que está?

Basicamente, o filme tem foco bem simples: acompanhar a história de uma mulher acima dos 30 anos que optou por viver uma vida amorosa fugaz. Entrando e saindo de festas badaladas, bebendo, se drogando e trocando de parceiros como quem troca de roupa (cada dia representa uma chance para uma nova aventura sexual diferente), ela acredita que esse jeito de viver foi feito para mulheres independentes e o roteiro tenta reforçar isso fazendo com que a protagonista tenha uma profissão importante e seja respaldada por um perfil de temperamento forte, algo que a torna muito decidida, dona de si própria e imune as críticas da sociedade que, como de costume, julga todo mundo.

O contexto geral de toda essa situação é interessante (principalmente porque está em sintonia com a sociedade do mundo moderno, onde as mulheres estão cada vez mais lutando e ganhando mais espaço), mas uma grande parte da construção narrativa da história é repleta de clichês que já foram utilizados de maneira exaustiva em outras comédias com temáticas semelhantes, fazendo com que esta - em particular - não consiga obter nenhum um único destaque que a torne em algo diferenciado (a não ser pelo fato de ser um projeto muito extenso, considerando os seus pouco mais de 120 minutos de duração).

Em diversos momentos o filme mostra à sua fraqueza e se torna muito monótono por reciclar os mesmos tipos de piadas e ter alguns momentos onde a história permanece inerte (onde não acontece nada de relevante para justificar o seu longo tempo de tela). Isso incomoda bastante, porque quando o ritmo das piadas é quebrado, o filme perde a linha e aqui esse aspecto é muito prejudicial porque o roteiro não se beneficia diretamente da comédia escrita (por sinal, apesar de existirem alguns momentos mais ácidos e com algumas boas referências... os diálogos são bem risíveis), mas sim, através da dependência do humor físico.

No entanto, por ser uma comédia despretensiosa o filme também tem os seus bons momentos porque consegue causar algumas risadas genuínas. Às vezes, também consegue dialogar diretamente com o público de uma maneira eficiente através de uma linguagem extremamente direta (embora forçada em diversos momentos por investir em situações que simplesmente não funcionam) e apesar de incluir um romance muito insosso, e que à vezes fica até azedo por ser algo desenvolvido de forma tão desleixada, a identidade remetendo a comédia permanece intacta e fazendo jus ao gênero que pertence. Enquanto isso, o aspecto dramático é deixado de lado, assim como as motivações da protagonista em ter escolhido aquele estilo de vida.

Judd Apatow é um diretor conhecido por dirigir filmes longos, mas em especial, este aqui é um exemplo que deveria servir como referência para não estender argumentos frívolos que em nada sustentam uma narrativa por completo. A marca do trabalho dele está presente e é visível para quem já está acostumado com seus filmes, então... Ver o talento dele ser desperdiçado com uma comédia romântica (ou pelo menos algo parecido com isso) totalmente esquecível é bem frustrante. Há energia para transformar esse filme em algo melhor, mas muita coisa teria que ser consertada... Por exemplo, começando pelos personagens, que são demasiadamente desinteressantes ou na diminuição de cenas apelativas envolvendo drogas e sexo.

O improvável casal de protagonistas formado por Amy Schumer e Bill Hader não funciona de jeito nenhum. Eles são totalmente incompatíveis e não tem nenhuma química na tela. Além disso, suas atuações são bastante problemáticas (principalmente por terem momentos muitos forçados... deixando claro, por exemplo, que Schumer realmente não é uma atriz muito boa) e ausência de elementos mais marcantes nas características de seus respectivos personagens ajudam a aumentar os pontos negativos que estão espalhados pelo filme inteiro. No elenco de apoio (que por sinal, é bem fraco), Brie Larson faz uma boa participação, mas nada que eleve a qualidade do que já está bem mediano.

Tecnicamente bem produzido em seus aspectos mais triviais, Descompensada (que foi escrito pela própria Schumer) é uma tentativa falha de mostrar ao público uma nova roupagem do mundo moderno onde as mulheres são mais empoderadas sobre as suas próprias necessidades... Mas em contrapartida, mesmo no meio de tantos erros, ainda consegue colocar em cima da mesa de discussões, argumentos válidos e que deveriam receber uma atenção diferenciada por parte daqueles que acreditam "viver sozinho" é o melhor caminho.

Authors get paid when people like you upvote their post.
If you enjoyed what you read here, create your account today and start earning FREE STEEM!
Sort Order:  

This post is shared to Twitter in support of @ocd and @ocdb's #posh initiative.

https://twitter.com/wiseagent_apo/status/1214736637181267973

I enjoyed Jon Cena's cameo, but mostly Amy Schumer just kinda gives me "blech" vibes in anything she is in. Bill was a good character though.