MOVIE REVIEW: "Bats" (1999)

in movies •  8 months ago  (edited)

This publication was also written in SPANISH and PORTUGUESE.

IMDb

Synopsis: An experienced Zoologist is sent to a small town in Texas that has been suffering from mysterious attacks by uncontrolled bats that - in groups - are attacking the local population. With the sheriff's help, she concludes that this is a new breed of genetically engineered bats that have escaped from a center of a major research center.

Considering only the Science Fiction genre, one of the themes with the greatest approach is directly linked to the numerous cases involving genetic alterations in the animals' DNA, turning them into real killer machines with lethal destructive power. This excuse for trying to write a decent story has been so widely used that the ways to justify these illegal scientific changes reach ever more surreal levels. This movie does not go so far as to deal with this aspect, but when it comes to suspense and terror, it has the extremely negative balance.

When the goal is to scare the audience, bats are easily manipulated creatures within movies. In particular, those who cherish a denser, darker atmosphere have a certain advantage (such as period films), but this is not an example that fits this title. Anyway, it is not so difficult to create scenes that can make the viewer jump out of the chair, but a good deal of that credit is due to the high-pitched soundtracks that usually accompany these kinds of scenes and that's exactly what happens here: the best ones scenes from the movie happen precisely from this perspective.

The main idea of ​​the script is a big jumble of clichés and since I've particularly lost track of how many movies with the same theme I've watched, I can more easily identify them. There are good and bad aspects to this, but the fact is that what frustrates me most about this script is not the predictability of events (which is annoying at many times), but the fact that their potential - which ironically exists amid so many bad arguments - being wasted unceremoniously because of a flawed treatment in the final revision of the content.

The writers get it right when they set the film in a barren and somewhat inhospitable setting (which by the way is well explored and surprisingly have a very decent shot), but the hits don't go far beyond a few scenes involving a lot of hustle and bustle by the attacks of the hungry bats. It is worth mentioning that there is an effort on the part of the script to create interesting scenes, but the development in the overall context of the story is very flawed because there is no force at the base to support the story being told, nor is there any interest in trying to justify this to the public in a really convincing way.

A group of average actors (where none of them are worth mentioning) make up the cast of badly written, boring and caricatured characters who make no effort to make the wrong (and sometimes stupid) decisions in an attempt to get out of the violent. attacks of the creatures of the night. Bad acting helps stamp this movie as a precarious (even if it's a low-budget) project within Horror Cinema, which despite having a few catchy moments, delivers a patchwork that is hard to defend by the most demanding audience.

Another downside throughout the projection (which is also quite frustrating because it makes no sense at all) concerns the disconnected jokes that add nothing to the plot's development. There are a lot of scenes that should supply the "need" for comic relief amid all the tension the movie tries to put in, but that shot doesn't hit the target and makes it even more forgettable before the credits even appear on screen, finally announcing that this juncture of unintended scenes is coming to its unsatisfactory conclusion.

Technically, even though it is not such a well-produced movie, there is an attempt to create different special effects, but the editing cuts made by the editing team do not favor this aspect at all (making the attempt go unnoticed), because the attacks are very fast and This prevents the viewer from seeing the creatures with greater precision. Aside from the fact that it is possible to see how huge bats are (something compatible with the idea of ​​genetically disrupting them, more careful detail about them prevents the public from being terrified the way it should be.

Directed by Louis Morneau in a very precarious way (giving the impression that he really did not seem to know what he was doing) and with a very consistent amount of flaws, Bats is - despite its good intentions - a bad and frustrated attempt to try showing that nature when genetically modified and used for destructive purposes can try to do "justice with one's own hands" in an unusual way.


MOVIE URL: Bats

MY RATING: A (3,0/10)

※ The following part is needed to put filled in and added to your text, as otherwise it will not be included later on phase II on Triple A.
※ 리뷰 하단에 다음 두가지 항목 포함 필수 (미포함 시 차후 자체사이트에 반영 안됨)

  • Movie URL: (Look at https://www.themoviedb.org/ for your title and put the URL here)
  • Critic: (Choose between A, AA, AAA and input the Data)
  • 영화 URL: (https://www.themoviedb.org/ 에서 리뷰하고싶은 영화 검색후 URL 이곳에 삽입)
  • 별점: (A, AA, AAA 중 선택해서 이곳에 삽입)

CRÍTICA DE PELÍCULA: "Bats" (1999)

TV Over Mind

Sinopsis: Un zoólogo experimentado es enviado a un pequeño pueblo de Texas que ha sufrido misteriosos ataques de murciélagos descontrolados que - en grupos - están atacando a la población local. Con la ayuda del sheriff, ella concluye que esta es una nueva generación de murciélagos genéticamente modificados que se han escapado del centro de un importante centro de investigación.

Considerando solo el género de Ciencia Ficción, uno de los temas con mayor enfoque está directamente relacionado con los numerosos casos que involucran alteraciones genéticas en el ADN de los animales, convirtiéndolos en verdaderas máquinas asesinas con poder destructivo letal. Esta excusa para tratar de escribir una historia decente se ha utilizado tanto que las formas de justificar estos cambios científicos ilegales alcanzan niveles cada vez más surrealistas. Esta película no llega a tratar este aspecto, pero cuando se trata de suspenso y terror, tiene un equilibrio extremadamente negativo.

Cuando el objetivo es asustar a la audiencia, los murciélagos son criaturas fácilmente manipulables dentro de las películas. En particular, aquellos que aprecian una atmósfera más densa y oscura tienen una cierta ventaja (como las películas de época), pero este no es un ejemplo que se ajuste a este título. De todos modos, no es tan difícil crear escenas que puedan hacer que el espectador salte de la silla, pero gran parte de ese crédito se debe a las bandas sonoras agudas que generalmente acompañan a este tipo de escenas y eso es exactamente lo que sucede aquí: las mejores. Las escenas de la película suceden precisamente desde esta perspectiva.

La idea central del guión es un gran revoltijo de clichés y, como he perdido la noción de cuántas películas con el mismo tema que he visto, puedo identificarlas más fácilmente. Hay aspectos buenos y malos en esto, pero el hecho es que lo que más me frustra de este guión no es la previsibilidad de los eventos (lo cual es molesto en muchas ocasiones), sino el hecho de que su potencial, que irónicamente existe en medio de tantos malos argumentos, desperdiciados sin ceremonias debido a un tratamiento defectuoso en la revisión final del contenido.

Los escritores lo hacen bien cuando colocan la película en un entorno estéril y algo inhóspito (que, por cierto, está bien explorado y sorprendentemente tiene una toma muy decente), pero los éxitos no van mucho más allá de unas pocas escenas que involucran mucho ajetreo por los ataques de los murciélagos hambrientos. Vale la pena mencionar que hay un esfuerzo por parte del guión para crear escenas interesantes, pero el desarrollo en el contexto general de la historia es muy defectuoso porque no hay fuerza en la base para apoyar la historia que se cuenta, ni hay ningún interés en tratar de justificarla esto al público de una manera realmente convincente.

Un grupo de actores promedio (donde ninguno de ellos vale la pena mencionar) conforman el elenco de personajes mal escritos, aburridos y caricaturizados que no hacen ningún esfuerzo por tomar decisiones equivocadas (y a veces estúpidas) en un intento de escapar ileso de los violentos ataques de las criaturas de la noche.. La mala actuación ayuda a sellar esta película como un proyecto precario (incluso si es de bajo presupuesto) dentro de Horror Cinema, que a pesar de tener algunos momentos pegadizos, ofrece un mosaico difícil de defender por parte de la audiencia más exigente.

Otro inconveniente a lo largo de la proyección (que también es bastante frustrante porque no tiene ningún sentido) se refiere a los chistes desconectados que no agregan nada al desarrollo de la trama. Hay muchas escenas que deberían satisfacer la "necesidad" de alivio cómico en medio de toda la tensión que la película trata de generar, pero ese disparo no alcanza el objetivo y lo hace aún más olvidable antes de que los créditos aparezcan en la pantalla, finalmente anunciando que esta coyuntura de escenas no intencionadas está llegando a su conclusión insatisfactoria.

Técnicamente, aunque no es una película tan bien producida, hay un intento de crear diferentes efectos especiales, pero los cortes de edición realizados por el equipo de edición no favorecen en absoluto este aspecto (haciendo que el intento pase desapercibido), porque los ataques son muy rápidos y esto evita que el espectador vea a las criaturas con mayor precisión. Además del hecho de que es posible ver cuán enormes son los murciélagos (algo compatible con la idea de alterarlos genéticamente, detalles más cuidadosos sobre ellos evitan que el público se aterrorice como debería ser).

Dirigido por Louis Morneau de una manera muy precaria (dando la impresión de que realmente no parecía saber lo que estaba haciendo) y con una cantidad muy constante de fallas, Bats es - a pesar de sus buenas intenciones - un intento malo y frustrado de intentar mostrando que la naturaleza cuando se modifica genéticamente y se usa con fines destructivos puede intentar hacer "justicia con las propias manos" de una manera inusual.


CRÍTICA DE FILME:: "Morcegos" (1999)

Scared Stiff Reviews

Sinopse: Uma experiente Zoóloga é enviada a uma pequena cidade no Texas que vem sofrendo misteriosos ataques de morcegos descontrolados que - em grupos - estão atacando a população local. Com ajuda do xerife, ela conclui que se trata de uma nova raça de morcegos geneticamente manipulados, que escaparam de um centro de um importante centro de pesquisas.

Considerando apenas o gênero Ficção Científica, um dos temas com a maior abordagem está diretamente ligado com os inúmeros casos envolvendo alterações genéticas no DNA dos animais, transformando-os em verdadeiras máquinas assassinas com poder letal de destruição. Essa desculpa para tentar escrever uma história decente já foi tão utilizada, que as formas para justificar essas alterações científicas ilegais atingem níveis cada vezes mais surreais. Este filme não exagera tanto ao tratar essa vertente, mas no que tange ao suspense e ao terror, ele fica com o saldo extremamente negativo.

Quando o objetivo é assustar o público, os morcegos são criaturas de fácil manipulação dentro dos filmes. Em especial, os que prezam por uma atmosfera mais densa e sombria tem uma certa vantagem (como por exemplo, os filmes de época), mas esse não é um exemplo que se encaixe neste título. De qualquer forma, não é tão difícil criar cenas que consigam fazer o telespectador pular da cadeira, porém, uma boa parte desse crédito se deve as trilhas sonoras agudas que geralmente acompanham esses tipos de cenas e é justamente isso o que acontece aqui: as melhores cenas do filme acontecem justamente sob essa ótica.

A ideia central do roteiro é um grande amontoado de clichês e como eu particularmente já perdi as contas de quantos filmes com essa mesma temática eu já assisti, eu consigo identificá-los com mais facilidade. Há aspectos bons e ruins nesse sentido, mas o fato é que o que mais me frusta nesse roteiro não é a previsibilidade dos acontecimentos (que chega a ser algo irritante em muitos momentos), mas sim, o fato do seu potencial - que ironicamente existe em meio a tantos argumentos ruins - ser desperdiçado sem a menor cerimônia por causa de um tratamento falho na revisão final do conteúdo.

Os roteiristas acertam quando ambientam o filme em um cenário árido e um tanto quanto inóspito (que por sinal é bem explorado e surpreendentemente tem uma fotografia muito decente), mas os acertos não se prologam muito além de algumas poucas cenas envolvendo muita correria e destruições provocadas pelos ataques dos morcegos famintos. É válido mencionar que existe um esforço por parte do roteiro em criar cenas interessantes, mas o desenvolvimento no contexto geral da história é muito falho porque não há força na base para sustentar a história que está sendo contada e também não há um interesse para tentar justificar isso para o público de uma maneira realmente convincente.

Um grupo de atores medianos (onde nenhum deles vale à pena ser mencionado) forma o elenco de personagens mal escritos, chatos e caricatos e que não medem esforços para tomar decisões equivocadas (e em alguns momentos, estúpidas) na tentativa de saírem ilesos dos violentos ataques das criaturas da noite. As atuações ruins ajudam a carimbar esse filme como uma produção precária (mesmo que seja um projeto de baixo orçamento) dentro do Cinema de horror, que apesar de ter alguns breves momentos atrativos, entrega uma colcha de retalhos difícil de ser defendida pelo público mais exigente.

Outro ponto negativo ao longo da projeção (e que também é bem frustrante porque não faz sentido algum) diz respeito as piadas desconexas e que em nada acrescentam ao desenvolvimento da trama. Existem várias cenas que deveriam suprir a "necessidade" de um alívio cômico em meio à toda tensão que o filme tenta estabelecer, mas esse tiro não acerta o alvo e torna tudo em uma experiência ainda mais esquecível antes mesmo dos créditos finais surgirem na tela, finalmente anunciando que aquela junção de cenas despropositais está chegando à sua insatisfatória conclusão.

Tecnicamente, mesmo não sendo um filme tão bem produzido, há a tentativa de criar efeitos especiais diferenciados mas os cortes de cenas realizados pela equipe de edição não favorecem em nada esse aspecto (fazendo a tentativa passar desapercebida), porque os ataques são muito rápidos e isso impede o telespectador de ver as criaturas com uma maior precisão. Com exceção do fato de que é possível perceber o quão enormes os morcegos são (algo compatível com a ideia de desestruturá-los geneticamente, um detalhamento mais cuidadoso sobre eles impede o público de ser aterrorizado da maneira que deveria ser.

Dirigido por Louis Morneau de uma maneira muito precária (dando a impressão de que ele realmente aparentava não saber o que estava fazendo) e com uma quantidade de falhas muito consistente, Morcegos é - apesar da sua boa intenção - uma péssima e frustrada tentativa de tentar mostrar que a natureza quando é geneticamente modificada e utilizada para fins destrutivos, pode tentar fazer "justiça com as próprias mãos" de uma forma nada usual.

Authors get paid when people like you upvote their post.
If you enjoyed what you read here, create your account today and start earning FREE STEEM!
Sort Order:  

This post is shared to Twitter in support of @ocd and @ocdb's #posh initiative.

https://twitter.com/wiseagent_apo/status/1217266400659673089